Tô grande!

Lilypie Third Birthday tickers

Princesa na área...

Lilypie First Birthday tickers

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

TESTE VOCACIONAL

Quando eu estava no 3º colegial (agora deve ser Ensino Médio... rsrsrsrs), toda hora aparecia alguém querendo fazer o tal do Teste Vocacional com a gente para que pudéssemos ter um direcional de qual profissão se encaixaria mais com a gente... Humanas, Exatas ou Biológicas...

E pensando nisso, fiquei comparando com esta minha situação atual, para a qual ninguém vem preparado... A maternidade deveria fazer parte do Teste Vocacional de muita gente por aí... Porque não é nada fácil... É incrível e maravilhoso, mas fácil, não é não...

E pensando bem, o Teste Vocacional deveria dar um resultado bem maluco, porque mãe tem que ser boa em todas as ciências... humanas, exatas e biológicas... Não é mesmo?

Olha só... Humanas: básico do básico para uma mãe: amor incondicional, relacionamento para sempre, entender, compreender, amparar, corresponder, ser – o tempo todo... Para ter certeza disto, é só lembrar quantas vezes (depois de grande!) a gente pensa: “Eu quero a minha mãe!”

Em Biológicas: é bom fazer o cursinho pré-natal... ajuda bastante saber que tem que cuidar do umbigo; não pode deixar entrar água no ouvido quando der banho; noções de frio e calor tanto para vestir o pobre bebezinho, quanto para manter seus alimentos na temperatura certa; ser boa em não ter nojo de nada que saia dele... nada mesmo... porque é tanta pereba que a gente ainda vai ver na vida... (lembro de uma vez que um dos meus irmãos machucou o dedão do pé e encheu de pus embaixo da unha... ui! Só de lembrar do enfermeiro limpando aquilo e voando pus pra todo lado me dá aquele enjôo doido... Mas a minha mãe tava lá, firme e forte!); E a quebração? Porque moleque costuma ser bom em se quebrar, né... Tomara que puxe ao pai dele e não precise engessar nada tão cedo...

Agora, o meu predileto: EXATAS! – Números e datas... E já começa quando vc descobre que está grávida: “De quantas semanas?” e “Pra quando é?” (além do “É menino ou menina?”) são as perguntas que mais se ouvem...

E quando nasce, imediatamente: “Quanto pesa? E quantos centímetros?” Parece que fica todo mundo doido para quantificar e colocar o rebento numa tabela... E eu não vou negar que eu mesma, na sala de parto ainda, só perguntava essas duas coisas... rsrsrsrsrs...

E a partir daí começa a loucura: “Mama de quanto em quanto tempo?”; se toma mamadeira: “Quantos mls?”; “A que horas vai dar a vitamina?”; E as programações... “bem, se eu der de mamar agora, tenho 2 horas para conseguir tomar uma ducha e correr no mercado antes da próxima mamada”... Ou não é assim?

Ai... faltaram cultura geral e desenvolvimento físico... que se encaixam em algum lugar aí em cima, porque mãe também tem que ser contadora de histórias, cantora de todas as cantigas infantis e dos clipes do Cocoricó e do Hi-5, e ainda se jogar no chão, para deliciosas cócegas sob o móbile...

É, acho que aos poucos estou descobrindo que teria passado no Teste Vocacional, caso ele existisse... ;)

Para quem tem dúvida, às sextas, às 21h, no canal pago Discovery Home & Health, eles tem um programa que chama Mães na Teoria... Ótimo para quem não ter certeza se daria conta... A proposta do programa é bem interessante: pais, tias, primas, amigas que têm certeza que educariam melhor os filhos dos outros do que as próprias mães, têm a oportunidade de pôr suas teorias em prática por 48h... Resultado geral... na maioria das vezes, descobre-se que só mãe que é mãe, agüenta o tranco... rsrsrsrsrs...

Beijos da Mamãe-fazedora-de-cócegas ;)

3 comentários:

Cibele disse...

Como diz minha amiga Paula: "Filho é como videogame: a cada fase um novo desafio..." E tem aquela frase que todo mundo acha que saiu pela primeira vez da boca de um amigo: "Filho é como 'pum': Cada um aguenta o seu!"
E fico sempre imaginando como era a vida das nossas avós (ou bisavós) - de oito a dez filhos, um atrás do outro! E não tinha ninguém pra dizer qual a temperatura certa da mamadeira, nem fralda descartável, nem Discovery Kids, nem nada! Eita vida dura! rsrsrs
Mas uma coisa é verdade: Mãe é mãe!
Beijão

Mateus disse...

Muito bom o texto Li. Já vi esse programa, são engraçadas as situações mesmo. Ta lindo meu sobrinho, dale cocegas hehe Bjs

Valéria disse...

Lilian, vc tem toda a razão... E olha que eu tenho uma "vasta" experiência nisso, heim? Adorei seu blog!!! Bjinho.